(in)acção social?

Alguém me consegue explicar isto, isto e a não influência disto em todo o desenvolvimento?

O papel dum estado social passa, principalmente nestas situações, por possibilitar à família biológica condições para assegurar a educação dos menores. O que aqui se lê, a ser verdade, é simplesmente do mais ridículo que assisti nos últimos tempos. A acreditar na veracidade dos relatórios feitos pelos psicólogos a retirada dos menores da família de acolhimento deveria ser, simplesmente imediata. Aliás, a acreditar nas versões expostas, nunca aqueles menores deveriam ter sido retirados da família biológica.

Falta, contudo, saber o outro lado da história. Verificar a veracidade dos erros dos serviços que são apresentados nas peças jornalísticas, sendo que cada vez mais me irrita a falta de esclarecimentos (ou a lentidão dos mesmos) que nestas situações demoram a surgir por parte dos serviços competentes. É que essa lentidão não se coaduna com as dinâmicas informativas actuais e, a verdade é que quando esses esclarecimentos demoram a surgir, fica sempre a ideia de que a verdade dos factos é a apresentada, independentemente da realidade.

Estudo sobre Deontologia Profissional

Estou neste momento a desenvolver um estudo que visa verificar as opiniões dos profissionais e estudantes de Serviço Social em Portugal relativamente às formas de tomada de decisão ética.

Pretende-se com este estudo, mais concretamente, verificar quais os princípios considerados mais importantes na prática profissional pelos profissionais e futuros profissionais de Serviço Social.

Assim, agradecia a vossa participação e a divulgação dos mesmos juntos dos vossos contactos.

O questionário está disponível na seguinte morada:

http://freeonlinesurveys.com/rendersurvey.asp?sid=8cd3n8hj5jgfgvu411089

Desde já o meu obrigado.

Relações Interculturais e Comunicação

Uma Relação Intercultural, mesmo aquela com origem numa actividade profissional, como a do Serviço Social, poderá assentar em níveis comunicacionais/relacionais desnivelados, herméticos(muitas vezes de modo não perceptível) originando os “ditos”, filtros culturais e distorções que podem arrasar a validade de qualquer Intervenção Social em contextos multiculturais.Emérique define três, os níveis  de filtros e distorções que poderemos encontrar:1º- De ordem cognitiva e afectiva: As representações, os estereótipos, os a- priori que  nos envolvem relativamente a um grupo étnico, a um país, a uma região, e que se situam no plano das nossas representações interiorizadas, pela história e cultura das relações entre as duas culturas, estão na origem de incompreensões, mal- entendidos, mau grado toda nossa ampla disponibilidade de abertura e tolerância que pensamos ser possuidores.2º- De ordem pessoal e ou institucional: São as representações advindas dos nossos próprios modelos elaborados de “motus individualis”, depois do crivo da socialização, e dos próprios modelos imanados pelas Instituições onde exercemos actividade profissional, e com as quais, muitas vezes, nos identificamos, anulando a elaboração critica necessária, e que ordenam a nossas relações interculturais com os cidadãos que apelam nos serviços: os modelos familiares, os papéis masculino e feminino, a educação das crianças, uma certa imagem do que se considera a “boa inserção social”. Conduzem-nos, na avaliação das situações em concreto, a «olhar os outros pelo olhar de cultura ocidentalizada, institucional, padronizada, ao nível dos comportamentos culturais, sexuais, educacionais, entre outros.3º- Modelos Técnico- Profissionais: O terceiro grupo de filtros concerne com os próprios modelos técnico- profissionais, derivados de um saber científico do campo das Ciências Humanas e Sociais. Isto é,  uma certa absolutização, universilazação destes saberes, impondo-os sobre outros saberes e outras culturas, que menorizamos simplesmente porque não utilizamos os mesmos parâmetros de avaliação.

Rectificações na Mediação Penal

RECTIFICAÇÃO 16/2008 – Rectifica a Portaria nº 68-A/2008, de 22 de Janeiro, do Ministério da Justiça, que aprova o modelo de notificação de envio do processo para mediação penal, previsto no nº 3 do artigo 3º da Lei nº 21/2007, de 12 de Junho, publicada no suplemento ao Diário da República, 1ª série, nº 15, de 22 de Janeiro de 2008.

RECTIFICAÇÃO 17/2008 – Rectifica a Portaria nº 68-B/2008, de 22 de Janeiro, do Ministério da Justiça, que aprova o Regulamento do Procedimento de Selecção dos Mediadores Penais a inscrever nas listas previstas no artigo 11º da Lei nº 21/2007, de 12 de Junho, publicada no suplemento ao Diário da República, 1ª série, nº 15, de 22 de Janeiro de 2008.

RECTIFICAÇÃO 18/2008 – Rectifica a Portaria nº 68-C/2008, de 22 de Janeiro, do Ministério da Justiça, que aprova o Regulamento do Sistema de Mediação Penal, publicada no suplemento ao Diário da República, 1ª série, nº 15, de 22 de Janeiro de 2008.

Boas e Más Notícias

Boas Notícias:

  • A nova página da APSS não apresenta como “código de ética” a tradução do antigo código da IFSW.

Más Notícias:

  • A nova página da APSS apresenta como “código de ética” a tradução do actual código da IFSW.
  • Tudo o resto do que aqui digo se mantêm.

Oferta de Emprego

Serviço Social Alternativo: OFERTA DE EMPREGO – PRIVADO

Oferta: 1 lugar para Assistente Social
Nº da Oferta: 587550068

Actividade da Entidade: OUT ACTIVIDADES ASSOCIATIVAS, N.E.

Local de Trabalho: Santa Luzia

Tipo de Vínculo: Contrato a Termo (12 meses).

Horário a praticar: ?

Folgas: ?

Remuneração: 850€

Subsídio de Refeição: ?

Habilitações pedidas: Licenciatura

Conhecimentos Profissionais: EXPERIÊNCIA DE TRABALHO NA ÁREA DA TERCEIRA IDADE. PARA COORDENAR UM CENTRO DE DIA. TAMBÉM PODE SER ALGUÉM DA ÁREA DE PSICOLOGIA OU RELACIONADA (LICENCIATURA EM CIENCIAS HUMAS E SOCIAS).

Vai uma viagem ao Brasil?